Bem vindo!

Rezar a vida. Missão Católica de Língua Portuguesa Suiça Central

Uma história real seguida de reflexão

Num dos últimos encontros realizados pelo Grupo de Jovens (J.U.C.) de Sursee os jovens viram um filme (Hacksaw Ridge-2016) que os fez reflectir sobre a possibilidade de fazermos a diferença no mundo. Os jovens no final do encontro foram desafiados a escrever um texto sobre o filme, uma das jovens aceitou o desafio e aqui fica a partilha:

Durante a segunda guerra mundial na batalha de Okinawa, entre as centenas de militares chamados para combater contra as tropas coreanas, houve um jovem, Desmond T. Doss, que se destacou. Doss, como era conhecido entre os seus colegas, era um jovem cuja infância não tinha sido das melhores. Tendo um pai ex-sargento militar, alcoólico e extremamente violento, Doss decidiu recusar-se a usar armas durante as batalhas com o objetivo de ser socorrista e só salvar vidas em vez de as tirar. Dando o seu objetivo por cumprido salvou 75 vidas, entre elas de combatentes da tropa rival, sem tirar a vida a ninguém. Agora fica a reflexão, e se houvessem mais pessoas como Doss? Se as pessoas em vez de pegar em armas e fazerem guerra pegassem na Palavra de Deus e fizessem a paz? Mesmo no nosso dia a dia há situações que se identificam com este filme (baseado numa história real) que o grupo de jovens JUC assistiu num dos seus encontros. Terei eu o direto de maltratar alguém ou deixar essa mesma pessoa ferida pra trás só por não nos entendermos ou não sermos da mesma opinião? Não foi essa a Palavra que há anos nos foi passada. Mas será por falta de coragem, de como Doss, dizer não e sermos diferentes do resto, que não somos todos assim? Se Deus nos disse para nos amarmos uns aos outros porque é que continua a haver guerras e conflitos? Pensem como Doss e sigam a palavra de Deus tal como ele fez. Pois se Doss sozinho conseguiu salvar 75 pessoas, todos juntos conseguíamos salvar a humanidade. Ana Alves

 

(foto) O verdadeiro Desmond Doss a ser condecorado

 

 O Mês de Novembro

Eis aí o mês de Novembro no qual celebramos a memória dos mortos na comunhão dos santos.

Porque existe esta celebração? Qual é o seu significado para nós e para toda a Igreja?

Trata-se na verdade de um tempo de muita importância, pois nele homenageamos todos aqueles homens e mulheres que viveram a vida de santidade pedida por Cristo, mas de forma anónima, sem serem conhecidos, os santos desconhecidos, que tiveram apenas a Deus por testemunha das suas obras e orações .

Quantas pessoas no silêncio de suas vidas, no anonimato do quotidiano, não se sacrificam rezam e trabalham por uma sociedade mais cristã, mais justa e fraterna, pedindo a graça e intercedendo pela humanidade? Quantas pessoas se tornam verdadeiros heróis de santidade sem que o mundo deles se dê conta?

Pois bem, no Mês de Novembro, a Igreja não pretende recordar unicamente os santos, de igual modo estamos habituados a ouvir falar do mês de Novembro como sendo o mês dos defuntos. Por isso, é um mês visto muitas vezes com alguma desilusão e tristeza. É também um mês de tempo triste, chuvoso, cheio de nuvens. Recordamos os nossos defuntos, vêm as saudades, às vezes surge mesmo a angústia. Mas não pode nunca surgir o desespero, ao menos para os que acreditam em Jesus Cristo.
Aliás, uma breve passagem pelos diferentes textos do Evangelho que lemos nos Domingos deste mês deixa-nos uma mensagem de Esperança, de Alegria e de Vida.

Pedir pois, ao Deus da vida e do amor, a graça de perdermos o medo da morte e conquistarmos o dom da morte mística, isto é, a morte do pecado, do egoísmo e do mal. Sejamos a favor da vida numa cultura da morte, que se impõe cada vez mais através do aborto, da eutanásia, da violência, da pedofilia…, da violação dos direitos humanos.

“Só se conhece aquilo a que nos prendemos. Os homens de hoje não têm tempo de se prenderem a nada. Compram tudo feito. E como o amor não se compra, não amam”. (Saint-Exupéry)

 

Visite-nos na nossa página do Facebook! Clique Aqui

 

null

Os Nossos Valores

Os católicos de língua portuguesa não possuem igreja própria. Agrupam-se no seio de uma Missão que encontra os seus laços junto de diversas paróquias territoriais
null

Horário das Missas

Schenkon – (Sábado) 17h
Baar – (Domingo) 9:15h
Erstfeld (2x – Domingo) 16h
Emmen – (Domingo) 12h
null

Misssão Católica de Língua Portuguesa da Suíça Central

É uma Missão linguística que abrange os  Cantões da Suíça Central: Lucerna, Zug, Obwald, Nidwald, Uri, Schwyz

Próximo Evento

Eventos Seguintes

Testemunhos